AGES - Casos Sobrenaturais

Página 2 de 40 Anterior  1, 2, 3 ... 21 ... 40  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: AGES - Casos Sobrenaturais

Mensagem por ArabellaC. em Qua Jul 22, 2015 1:16 am



Clarisse Silveri | Agente | 23 anos

Ouvia John conversar pelo celular e seguia a mais de duzentos por hora na direção do café,escutou o loiro e assentiu, parando o carro.
_ No porta malas _ respondeu, saindo do carro, viu o agente Caron _ Boa noite.
Foi até o porta malas e o abriu, lá dentro havia uma maleta grande e prateada, digitou a senha e abriu a mesma.
_ Jake sabe o que é John? _ perguntou para o loiro, olhando as pistolas e laminas dentro da maleta _ Caron, precisa de armas?



Peter Ives | Agente | 32 anos

O celular tocou e ele colocou o fone.
_ Cinco civis do café, três estão mortos, as duas garotas atrás do balcão, uma está gravemente ferida_ olhava a tela, enquanto falava _ A coisa não aparece direito na câmera só consigo ver um par de olhos brilhantes, está tentando arrombar a porta lateral...A criatura entrou e está se aproximando delas _ relatava tudo com uma calma absurda, conforme se aproximava a criatura tomava forma _ É um cachorrão, barghest.



Beatrice Ives | 21 anos | Fotografa

Ela se sentou a frente do maior.
_ Gentil como sempre, Steven _ sorriu para ele, vendo-a abrir o envelope e começar a olhar as fotos.
_ Aceito sim, obrigado _ café era algo que ela não dispensava, escutou sobre ser um ótimo trabalho e seu sorriso se ampliou, afinal ela amava o que fazia e era sempre bom escutar que o fazia bem _ Você sabe realmente como animar a minha noite _ falou, e começou a explicação _ Como a campanha era para promover um produto feminino, pensei em um cenário lúdico, mas não aquela coisa falsa, entende? Algo mais natural e simples, que todas possam alcançar, se usar o produto certo.


ArabellaC.
Admin

Mensagens : 1695
Data de inscrição : 20/07/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AGES - Casos Sobrenaturais

Mensagem por LolitaRoger em Qua Jul 22, 2015 1:33 am


John Constantine

Desceu do carro seguindo com ela para o porta-malas.
–Sim, sim, boa noite, que seja. – foi a resposta apressada que deu para Caron enquanto escutava Jake narrar o que acontecia dentro do café –Temos três civis mortos, uma gravemente ferida e outra que está bem. – falou para os outros com uma calma e tranquilidade que muito podiam pensar que era de alguém que pouco se importava com as vidas em risco, mas não chegava a ser exatamente isso, é que com o passar dos anos ele percebeu que ara certas situações uma análise fria e objetiva era melhor, mesmo que isso pudesse significar utilizar seus parceiros como iscas sem que os mesmo saibam (Jake já devia até ter se acostumado).

–É um barghest. – falou para os outros.
Ele dispensa o uso de armas, apenas chegou em seu caso pelo isqueiro e os cigarros.
–Vamos. – não podiam perder tempo ali –Jake. Continue me informando da situação do lado de dentro.

Dorian H. Gray

Dorian apenas sentiu como Charles tentava leva-la pra longe da porta, com dificuldade a arrastando para trás do balcão. A albina pode sentir que alguns de seus órgãos se deslocaram devido ao rasgo, e como o sangue quente banhava suas pernas brancas enquanto ela apertava as mãos contra a pele rasgada tentando assim em vão evitar que mais sangue corresse.

Ouviu Charles mandar que ficasse ali, abriu a boca para perguntar como a outra suponha que ela pudesse ao menos ficar de pé, porém ao abrir a boca acabou cuspindo outro tanto de sangue em uma tosse nojenta. Estava se afogando em seu próprio sangue, maravilhoso (notem a ironia com a qual isso é dito, por favor).
Ficou quieta quando a outra disse que ela era humana, poderia rebater aquele argumento de tantas formas... Mas tudo que fez foi se calar e sentir como pouco a pouco seu corpo passava por uma regeneração tão dolorosa quanto ser rasgada novamente. O quadro estava tomando para si seus ferimentos, apesar de o fazer de forma absurdamente lenta devido a gravidade, mas o fazia.

–Está tudo bem, Charles. – a albina tentava tranquilizar a outra –Vai ficar tudo bem.. – mas a verdade é que duvidava que tudo ficaria bem.
Ao menos não para Charles que era humana...
A albina sentiu o cheiro. O cheiro vindo da criatura que a atacou, ele estava se aproximando delas.
–Charles. – chamou em voz baixa –Ele está aqui dentro.. O meu sangue vai atrair aquela coisa. – a albina pressionava as mãos no corte, mas não era o bastante para evitar que uma poça se formasse onde ela estava encostada –Se esconde na cozinha. – aconselhou.

Steven Lancaster

A garota estava sentada a sua frente e lhe deu um sorriso quando ela comentou sua gentileza, não havia muito o que fazer, era algo inato.
–Um café para a senhorita. – pediu à garçonete.
Um sorriso de canto se formou ao perceber que ela havia gostado do elogio ao seu trabalho, o que era outra coisa a qual não havia o que fazer, o trabalho dela era realmente bom. Ela tinha um olho para os detalhes e uma perspectiva que constantemente surpreendia aqueles que trabalham na indústria da publicidade, além é claro das ideias. Beatrice parecia saber exatamente o que os clientes precisavam que as fotos retratassem.
–Tem certeza que quer continuar como freelancer? – perguntou bem humorado –Eu preciso de uma diretora de arte com uma visão como a sua. – ele sempre faria a proposta de emprego à ela mesmo sabendo que a garota seguiria recusando.
Mas é como dizem: quem não arrisca...

LolitaRoger
Admin

Mensagens : 1707
Data de inscrição : 18/07/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AGES - Casos Sobrenaturais

Mensagem por Daenis em Qua Jul 22, 2015 1:47 am

Jemma Park Willberg | 26 anos | Agente

Jemma estava com as mãos na boca ainda, para evitar fazer qualquer som. Ela desviou o olhar da tela. Realmente não queria ver a cena horrível que se seguiria. Ela não tinha estômago para essas coisas. Ler era uma coisa, ver era outra completamente diferente. Além disso, isso ficaria gravado na memória dela e ela não conseguiria dormir à noite.

Caron John Whirt | 33 anos | Agente

Assentiu para a morena que abria a maleta no porta-malas e, com a pressa de John, pegou apenas outra pistola além da que sempre levava consigo. Agradeceu a ela enquanto seguia John.
- Um barghest? - ele franziu o cenho.

Charlotte "Charles" Ruth Middleton | 23 anos | Garçonete/aspirante à cantora

Vendo a quantidade de sangue que jorrava da pequena e aparamentemente frágil Dorian, Charles começava a ficar mais desesperada ainda. Largou o celular que havia apitado indicando que a bateria havia acabado, pegou todos os panos de pratos que estavam em seu alcance e os pressionou contra o ferimento dela, em uma esperança fraca de que isso a ajudaria.
Quando ela tossiu, um pouco de sangue respingou no rosto e cabelo da garota, mas ela não se importou, somente ajudou a albina para que ela não se engasgasse com o próprio sangue.
- Eu vou ficar aqui com você - ela falou. - Não vai fazer diferença se eu for ou não para lá. Estou coberta de sangue.
Ela sentiu uma lágrima escorrer pela sua bochecha. Sabia que mesmo que sobrevivessem ao animal agora, Dorian provavelmente não sobreviveria com os machucados que ele já havia causado. Ela não deixaria a amiga sozinha.
- Só... Aguente firme - ela falou, enquanto pressionava os panos em seu ferimento.
avatar
Daenis
Admin

Mensagens : 112
Data de inscrição : 17/07/2015

Ver perfil do usuário http://ages.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AGES - Casos Sobrenaturais

Mensagem por ArabellaC. em Qua Jul 22, 2015 2:05 am


Clarisse Silveri | Agente | 23 anos

John descreveu a situação e já tinham três vítimas, se não fosse rápidos o suficiente perderiam as garotas,.
_ Precisamos de prata.
Ela pegou duas adagas e as colocou no cinto, pegou uma das pistolas e balas de prata. Caron pegou uma também e ela bateu o porta malas.
_ É um cão monstruoso e absolutamente mortal _ disse a Caron, enquanto praticamente corria em direção ao café não tinham tempo.
_ Dois distraem a criatura e outro resgata as garotas, ok? _ falou, a prioridade era as meninas.



Peter Ives | Agente | 32 anos

_ Ele está se aproximando do balcão, entrem pela porta da frente, isso chamará a atenção dele e o afastará delas.



Beatrice Ives | 21 anos | Fotografa

Escutou aquela proposta tentadora, que fotografo ainda em seu curso, não gostaria de ser contratado como diretor de arte de uma das maiores e prestigiadas empresa do país? É o sonho de qualquer um, é a oportunidade de ouro, é algo que ela com certeza queria, que abriria várias portas para a sua carreira. A resposta mais sensata seria sim, mas ela não era uma pessoa muito comum, via e sentia coisas que assustaria o Papa e antes lutava contra elas, mas agora...Baixou os olhos para o bracelete de prata no pulso direito, já tinha três anos que não via ou sentia nada 'irregular', mas estava ficando inquieta novamente e trocava a noite pelo dia, poderia ser apenas uma insonia passageira e nada mais...
_ É uma oportunidade dos sonhos, mas eu posso pensar? _ perguntou, erguendo os olhos para ele e fazendo uma expressão de quem pedia desculpas, um magnata lhe oferece uma super oportunidade e ela pede para pensar, esperava que ele não achasse que era arrogância ou algo do tipo. É só que sua vida era complicada e ela não queria comprometer de nenhuma forma a empresa dele.


ArabellaC.
Admin

Mensagens : 1695
Data de inscrição : 20/07/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AGES - Casos Sobrenaturais

Mensagem por LolitaRoger em Qua Jul 22, 2015 2:26 am


John Constantine

O plano de Clare era o melhor.
–Então você dá a volta e entra pelos fundos pegando as garotas. Eu vou ser a isca, e Caron... – começou a falar e olhou para o outro –Eu sei que você me odeia, mas apenas dessa vez não ceda a tentação de me deixar ser morto pelo Barghest. – falou completando com um sorriso forçado.

Foram na direção ao bar & grill. O cheiro de sangue e o fedor da criatura foi a primeira coisa a atingir seus sentidos, membros dilacerados e vísceras espalhadas era o que mais se via na frente do lugar.
Se aproximou da porta em busca de algo que pudesse usar. Constantine não era muito adepto de armas de fogo, e armas brancas ele quase nunca lembrava de carregar consigo. Perto da porta derrubada pelo cão infernal e da meia barricada que as meninas devem ter tentado fazer mais foi destruída pelo barghest ele viu algo que deve ter sido a perna de ferro de alguma cadeira. Pegou aquilo e sentiu o peso nas mãos enquanto entrava.
Olhou a criatura que parecia farejara o sangue de uma delas (o loiro notou que era muito sangue, a menina já devia estar morta) e assoviou. Um assovio alto e agudo que fez as orelhas da criatura se voltarem pra ele antes do barghest se virar na direção do loiro.
–Hey, Totó. – falou para a criatura que avançava rápido na direção dele –Que tal brincar de pegar? – falou enquanto acertava com força a perna de cadeira que agora não passava de uma barra de metal na mandíbula do animal que soltava um urro antes de avançar novamente no loiro.

Dorian H. Gray

–Eu queria mesmo estar naquela Rave agora.. – falou com um riso fraco pra não acabar cuspindo ainda mais sangue na outra.
Viu Charles jogar para o lado o celular sem bateria. Esses novos celulares eram uma merda, as telas trincavam com facilidade e a bateria sempre acabava quando mais se precisava, como quando você precisa avisar algum amigo que o lugar da festa mudou, ou quando precisa pedir socorro porque vai ser esviscerado por algum animal de procedência desconhecida.

Charles colocava os panos para tentar estancar o sangramento, mas Dorian não achava que fosse realmente funcionar, e o pior é que quando saísse viva daquilo teria que recomeçar a droga da vida do zero em outro lugar, pois sem chance de Charles acreditar que foi um milagre de natal. Era mais fácil acreditar que estava nevando em julho.

–Se ficar aqui comigo você vai morrer. – falou –De nós duas você é a que está em condições de ao menos tentar fugir. Sai pelos fundos, você vai ter tempo enquanto aquela coisa tenta me comer. – ela falou com uma apatia e descaso que nem parecia que era sobre a própria vida que falava.

Dane-se.. Não ia morrer mesmo.
Contudo escutou a voz de um homem e teve certeza de que a criatura se distanciou.

Steven Lancaster

Seguia olhando para as fotos quando escutou a resposta dela e a olhou surpreso.
–Para ser bem sincero eu perguntei já esperando um ‘não’. – confessou com um certo riso –Mas fico feliz que esteja cogitando a ideia. Tome o tempo que achar preciso. – concluiu.

Logo a garçonete voltava com o café da garota.
–Às vezes eu penso em fazer essas reuniões em minha casa. Com o seu olho para detalhes na composição de cenários certamente apreciaria a decoração e arquitetura mais do que eu faço. – comentou tomando outro gole de seu café e terminando de olhar as fotos –Mas não seria agradável tomar café enquanto parte todos os empregados na casa à exceção do mordomo ficam esperando o próximo fantasma aparecer. – o comentário final foi mais para si mesmo enquanto se recordava do café da manhã.
A dificuldade em se encontrar criados era um dos problemas em morar em um dos pontos mais mal assombrados do Reino Unido.

LolitaRoger
Admin

Mensagens : 1707
Data de inscrição : 18/07/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AGES - Casos Sobrenaturais

Mensagem por Daenis em Qua Jul 22, 2015 2:47 am

Jemma Park Willberg | 26 anos | Agente

Ela precisava se distrair e não ficar pensando nas coisas horríveis que estavam acontecendo há poucos quilômetros de distância de onde estava. Com sua imaginação fértil, ela começava a pensar em todas as outras coisas que estavam acontecendo ao redor do mundo inteiro nesse exato instante. E então em todas as coisas horríveis que já haviam acontecido. E em seguida nas que ainda aconteceriam.
Ela sacudiu a cabeça e levantou-se. Pegou os dois copos de café e andou até a cafeteira para fazer um café fresco para eles.

Caron John Whirt | 33 anos | Agente

Assentiu para a morena novamente e deixou um riso anasalado escapar pelo nariz à frase de John.
- Vou tentar meu melhor - respondeu, devolvendo o cinismo que normalmente o homem apresentava.
Carregou a arma que pegou na maleta de Clarisse com as balas de prata. Sua própria arma já estava carregada com essas balas, como de costume.
Conforme foram se aproximando do local o cheiro foi ficando mais forte e Caron perguntou-se se algum dia ele iria embora ou se ficaria impregnado ali para sempre, de tão asqueroso e forte que era. Teriam de mandar uma equipe sanitizadora para higienizar o local após terminarem. Esperava que houvesse gente de plantão, não queria olhares mau humorados na segunda-feira por terem sido arrastados para fora de festas ou da cama para virem limpar vísceras.
Ergueu a arma e afastou-se alguns passos de Constantine, tomando cuidado para não pisar nos restos mortais e para não escorregar em todo aquele sangue.
John provocou a besta e ela começou a avançar em sua direção, mas ele a atingiu. Quando ela avançou novamente, Caron acertou duas balas em seu torso, fazendo a criatura cambalear.
John talvez pensasse que ele fosse capaz de deixá-lo morrer, mas Caron era profissional o suficiente para não deixar o colega morrer.

Charlotte "Charles" Ruth Middleton | 23 anos | Garçonete/aspirante à cantora

Charles ia responder a Dorian, mas ouviu a voz de um homem dentro do bar and grill. Queria sair de seu esconderijo e gritar para ele ir embora porque aquela criatura iria matá-lo. Ela nem pensou que ele pudesse ter vindo ajudá-las.
Ouviu o assovio e fez sinal para que Dorian ficasse quieta. Pegou a mão da garota e colocou sobre os panos, falando com os lábios "Faz pressão!", enquanto o mais silenciosamente possível se arrastava de quatro até o outro canto do balcão, na parte aberta, para ver o que estava acontecendo.
Foi tempo o suficiente para ver a criatura que as estava assombrando. Era semelhante a um lobo, mas não exatamente. Sua mente ficou meio desfocada olhando para ela, pois não conseguia entender o que era aquele animal. Além disso, ele não parava de se mover. Quando ele começou a avançar na direção do homem - que só agora ela resolvera olhar na direção dele -, ela cobriu a boca com a mão suja de sangue.
Encolheu os ombros quando o viu atingir o monstro com a perna da cadeira. Esperava que aquilo fosse o suficiente para parar a criatura, mas ela continuou a avançar contra ele. Em seguida ouviu tiros e a criatura perdeu o equilíbrio e a velocidade com a qual avançava contra o homem. Espichando-se para fora com cuidado para não ser notada, ela viu de onde viera os tiros: outro homem estava dentro do bar and grill carregando uma arma na mão.
avatar
Daenis
Admin

Mensagens : 112
Data de inscrição : 17/07/2015

Ver perfil do usuário http://ages.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AGES - Casos Sobrenaturais

Mensagem por ArabellaC. em Qua Jul 22, 2015 2:59 am


Clarisse Silveri | Agente | 23 anos

Assentiu ao loiro.
_ Tome cuidado e volte inteiro ou eu te mato _ disse séria, ele era sempre inconsequente e apesar das brigas, da vontade de socá-lo, ela não queria que ele se ferisse, babaca.
_ Isso vale para você também Caron _ disse, antes de dar a volta correndo, chegou a porta dos fundos e a abriu com cuidado, seus passos eram mudos e ágeis, não tinha tempo a perder, mas não poderia chamar a atenção da criatura, foi até as meninas que estavam atrás do balcão. Ouvindo John provocar a criatura e sons de tiros.
_ Eu vim para ajudá-las _ falou, sacando a arma, olhou para albina ensaguentada, era um verdadeiro milagre estar viva _ Me ajude a levantá-la _ pediu para a garota de cabelos coloridos.



Peter Ives | Agente | 32 anos

Viu Jemma se levantar, mas voltou os seus olhos para tela, eles já haviam entrado, Clarisse estava com as meninas e John e Caron distraíam a besta.



Beatrice Ives | 21 anos | Fotografa

Sorriu com a resposta dele.
_ É uma oportunidade excelente, mas antes de poder aceitar eu tenho que resolver algumas pendencias, eu agradeço de verdade pela proposta e pelo tempo.
Tomou um gole da bebida quente, escutando sobre a arquitetura da mansão.
_ Eu gostaria de conhecer, deve ser incrível _ disse animada, mas ao escutar 'fantasmas', sua expressão mudou, adquirindo algo entre o sério e o receoso. Era fácil, ridiculamente fácil notar as mudanças em Bea, ela era muito expressiva e só depois se dava conta que deveria disfarçar.
_ Fantasmas? _ perguntou, já estava pronta para perguntar com que frequência os empregados os vê e se ele viu algo estranho, quando se deu conta de que aquilo não era com ela, que poderia ser muito bem alguma história idiota de funcionários medrosos. Riu, retirando algumas mechas da frente do rosto.
_ Também virão a loira do banheiro? _ indagou, numa tentativa de disfarçar a primeira reação.

ArabellaC.
Admin

Mensagens : 1695
Data de inscrição : 20/07/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AGES - Casos Sobrenaturais

Mensagem por LolitaRoger em Qua Jul 22, 2015 3:17 am


John Constantine

Quando a criatura avançou foi parada pelas balas, teria agradecido o outro se tivesse tempo para tal, mas não tinham. Precisavam matar o barghest ou ao menos mantê-lo distraído enquanto Clare salva as garotas.

Um braghest.. Um barghest... Barghests são cães infernais. Cães infernais não vem para o mundo humano apenas por vir, eles são enviados para recolher almas para o inferno, então por que aquele estava ali causando toda aquela destruição?
Mas mais importante, precisa pensar em algo útil.
Um cão infernal ainda é um cão, algo familiar pode desviar a atenção dele para que os dois possam tentar um ataque mais efetivo.
O loiro pegou o isqueiro que havia em seu bolso e o maço de cigarros. Pegou um dos cigarros e o acendeu antes de derramar o fluído de isqueiro e untar ambas as mãos. Puxou a pequena faca que carregava no bolso e fez um corte longo e limpo no braço deixando o sangue correr.
–Hey, Totó. – chamou a criatura –Reconhece o cheiro, amigão? Cheiro de casa, né? Vem cá! – ele falava com o barghest como se o bicho fosse seu cachorro de estimação.
A criatura farejou o sangue do loiro e realmente se aproximou de forma mesmo hostil apesar do rosnado ininterrupto e as presas ensanguentadas a mostra. Contudo a quase fraude acabou quando o bicho estava realmente perto do loiro. Constantine ergueu as mãos as encostando no cigarro e deixando que elas se incendiassem em seguida as pressionando contra os olhos do bicho.
O barghest reagiu conseguindo jogar John para o lado contra uma mesa, mas ao menos agora a criatura não podia ver.

Dorian H. Gray

Queria olhar o que estava acontecendo, mas duvidava que conseguisse se mover para espiar além do balcão sem ser notada pela criatura.
Apertava os panos onde estava o ferimento, mas como já conseguia respirar melhor teve certeza de que a regeneração já estava na metade..
Afastou o pano, pois não estava servindo de nada, estava completamente empapado em seu sangue. Ouviu os disparos e chegou a pensar que houvesse acabado, mas a voz do homem que havia assoviado retornou em uma constatação de que a criatura seguia com vida.
Sua atenção foi voltada com surpresa para a porta que dava pra cozinha quando ouviu a voz feminina.
Não tinha ideia de quem era aquela mulher, mas sendo ajuda então era bem vinda.

Steven Lancaster

Arqueou uma sobrancelha estudando a reação dela. Não foi exatamente a esperada, normalmente as pessoas apenas descartam esse tipo de coisa como impossível e seguem com a conversa, logo não seria de se estranhar quando ela reage tão prontamente. Escutou o riso e seguiu a olhando curiosamente.

Riu com a pergunta sobre a loira do banheiro.
–Não, infelizmente nenhum deles parece ter visto uma loira em qualquer um dos banheiros. – ele ria –Segundo eles são os fantasmas das pessoas que foram assassinadas lá durante a guerra pelo trono. – disse com um encolher de ombros enquanto selecionada boa parte das fotos que a garota lhe mostrou –O engraçado é que quando eu era criança meus pais diziam que eu insistia em dizer que conversava com esses tais fantasmas. – mas era como todos lhe diziam na época, ele era apenas um garoto crescendo sozinho em uma mansão grande demais, era natural imaginar coisas.

LolitaRoger
Admin

Mensagens : 1707
Data de inscrição : 18/07/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AGES - Casos Sobrenaturais

Mensagem por Daenis em Qua Jul 22, 2015 3:36 am

Jemma Park Willberg | 26 anos | Agente

O café estava quase pronto, mas Jemma enrolou o quanto conseguiu para não ter de voltar para perto da tela daquele computador. Quando ela considerou que seria rude não voltar mais, ela retornou com os dois copos de cafés cheios e dois sachês de açúcar.
Andou até a parede oposta, onde havia um mapa de Londres com várias partes destacadas e anotações a respeito de ataques e eventos sobrenaturais.

Caron John Whirt | 33 anos | Agente

Caron meneou a cabeça. John era completamente insano. Por que diabos ele não podia agir como um agente normal? Ele não entendia por que a AGES simplesmente não o demitia e deixava ele demitido.
Com o canto do olho estava ciente da movimentação de Clarisse ajudando as duas civis atrás do balcão. Precisava manter o barghest ocupado para que não fosse atrás delas.
John foi jogado para o lado, mas agora o barghest não podia enxergar. Sem pensar duas vezes, ele começou a atirar contra ele. A criatura era incrivelmente forte e resistente e, apesar de Caron ver o sangue escuro jorrando pelas feridas das balas, ele não caíra, só cambaleava a cada baleada.

Charlotte "Charles" Ruth Middleton | 23 anos | Garçonete/aspirante à cantora

Ela se sobressaltou quando a garota apareceu na porta da cozinha dizendo que viera para ajudá-las. Charles deduziu que ela estivesse com os dois homens.
Sem hesitar assentiu para ela e correu até onde Dorian estava, erguendo-a e, com a ajuda da morena, levando-a para a cozinha.
Charles não estava processando nada direito no momento, mas algo no fundo da cabeça dela estava fazendo ela se perguntar como Dorian não havia desmaiado ainda pela perda de sangue imensa que estava sofrendo.
avatar
Daenis
Admin

Mensagens : 112
Data de inscrição : 17/07/2015

Ver perfil do usuário http://ages.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AGES - Casos Sobrenaturais

Mensagem por ArabellaC. em Qua Jul 22, 2015 3:54 am



Clarisse Silveri | Agente | 23 anos

A mulher de cabelos coloridos ajudo-a a carregar a albina para cozinha.
_ Vamos lá para fora _ disse, se a criatura viesse para li, estariam perdidas, com a ajuda da outra carregou a albina para fora do café e a deitou no chão, precisava fazer os primeiros socorros. Sem pedir permissão, abriu a camisa da albina, vendo o ferimento profundo.
_ Vou estancar o sangue _ falou, retirando a própria camisa e a rasgando em tiras, em seguida começando a enrolar habilidosamente em torno do tronco dela, ela definitivamente não poderia perder mais sangue e ela precisava ajudar os seus parceiros.



Peter Ives | Agente | 32 anos
Assistia com verdadeira atenção, queria pode ajudá-los de alguma forma, mas não chegaria a tempo.
_ Obrigado, Jemma _ agradeceu pelo café.



Beatrice Ives | 21 anos | Fotografa

Riu mais com a história da loira do banheiro, mas o que escutou em seguida a preocupou, parecia um caso, se os fantasmas se tornassem hostis eles poderiam matar Steven e os empregados também.
Isso não é da sua conta, você é apenas uma estudante, que trabalha como freelancer para pagar as contas. Ela se repreendia mentalmente, talvez pudesse pedir para o irmão checar a mansão, quase que inconscientemente tocou no bracelete.
_ Deve ser apenas imaginação deles _ disse, voltando a beber o café _ Vai voltar para empresa hoje?
A verdade era que ela queria saber se ele iria voltar para a mansão...A mansão do Fantasminha Camarada.

ArabellaC.
Admin

Mensagens : 1695
Data de inscrição : 20/07/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AGES - Casos Sobrenaturais

Mensagem por LolitaRoger em Qua Jul 22, 2015 4:04 am


John Constantine

A criatura cambaleava um pouco devido aos tiros que levou e John se levantou tão cambaleante quanto o bicho antes de se firmar.
O barghest realmente foi cegado. Ele não tinha certeza deque aquilo ia funcionar, mas pelo visto deu certo, apenas tinham que mantê-lo ocupado para que não pudesse farejar o sangue da garota que foi ferida (mas que John achava que já devia estar morta a essa altura, ao menos era a ideia que dava pela quantidade de sangue espalhada pelo local).

Um plano... Um plano... Precisavam de um plano, mas não tinha nenhum em mente no momento, a coisa teria que passar para um embate físico direto. Olhou a faca que usou para fazer o corte em seu braço, ela estava caída não muito longe de onde estava e teve uma ideia. Se era uma ideia boa, útil e segura? Claro que não, ou ele não seria Constantine. Mas uma ideia ruim era melhor do que ideia nenhuma. Ou será que era o oposto....?
Pegou a faca que estava no chão, molhou a ponta do dedo no sangue que seguia saindo do corte em seu antebraço e nas costas das mão direita ele traçou um sigilo mágico, nada muito intricado, pois não havia espaço e ele estava escrevendo com a mão esquerda. Com o sigilo pronto ele apenas rogou o encanto daquele jeito dele e avançou para o barghest cambaleante praticamente montando sobre as costas do bicho e cravando a lâmina na garganta da criatura. Tentou puxar a lâmina rasgando a pele, mas o barghest se debatia tentando derrubá-lo. Se debateu tanto que Constantine não conseguiu terminar o corte e acabou ativando o sigilo.

O feitiço não nocauteou o animal, mas em compensação foi como um dose baixa de tranquilizante, o deixaria atordoado para uma nova investida dos dois.

Dorian H. Gray

Sentiu Charles erguê-la com a ajuda da mulher.
Dorian teria dito que podia andar sozinha, mas sabia que apenas o faria lentamente e que isso apenas tornaria mais suspeito o porquê dela não estar morta a essa altura dos acontecimentos. Bem... Seria certamente uma longa história.
Ouviu a mulher fala de irem pra fora do grill.
–Eu ainda não tinha pensado nisso. – falou com um cinismo a lá Constantine que era dirigida mais a situação toda do que para a morena, mas percebeu que poderia ser mal interpretada –E isso não foi com você, estranha misteriosa que salva pessoas do Totó do Caperoto. – falou enquanto era enfaixada –Não se preocupe, vou ficar bem – pelo jeito que a albina falava nem parecia que ela estava com rasgos tão grandes que davam para olhar alguns de seus órgãos.

Steven Lancaster

Notou o movimento que ela fazia tocando o bracelete.
–Você deve ser muito apegada à esse bracelete. – comentou –Sempre o toca quando se sente nervosa. Quer dizer o que foi? Ou descontar o nervosismo em alguns muffins? – ofereceu com um sorriso.

Assentiu a respeito de ser imaginação dos criados. Mas não podia negar que adoraria chegar ao fundo daquilo. Coisas relacionadas ao oculto, ou mesmo mistérios sempre o atraíram desde garoto, era quase inevitável.
Escutou a pergunta que ela lhe fez sobre para onde iria.
–Não, acho que vou direto pra casa, meu trabalho por hoje já está todo finalizado. Por quê? – perguntou enquanto realmente chamava a garçonete para pedir os muffins.

LolitaRoger
Admin

Mensagens : 1707
Data de inscrição : 18/07/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AGES - Casos Sobrenaturais

Mensagem por Daenis em Qua Jul 22, 2015 4:20 am


Jemma Park Willberg | 26 anos | Agente

- Disponha - Jemma respondeu com um sorriso, mesmo que ele não pudesse vê-lo. O que provavelmente foi a razão dela fazê-lo.
Ela pegou um alfinete com a ponta vermelha e o pregou na localização bar and grill.
- Como estão indo as coisas? - ela perguntou sem se virar. Ela suportaria ouvir, mas não olhar.
Jemma achava que as pessoas talvez pudessem achar que ela não se importava, justamente por sempre evitar qualquer interação com os eventos em si. Mas ela se importava. Demais. Esse era o problema.


Caron John Whirt | 33 anos | Agente

Enquanto John realizava o plano maluco dele, Caron praguejava novamente por ele não seguir o convencionalismo. Isso algum dia iria acabar o matando. E as pessoas envolvidas.
Ele sacou a outra arma e mirou na besta, mas não iria atirar até ter uma mira limpa. E enquanto John estivesse montando o barghest, isso era impossível.
Quando ele se acalmou, Caron conseguiu atirar nas juntas do animal, o que dificultaria sua movimentação. Quem sabe agora John conseguisse terminar o serviço. Ou assim ele esperava.


Charlotte "Charles" Ruth Middleton | 23 anos | Garçonete/aspirante à cantora

O ar frio da noite começou a clarear a mente de Charles e o choro subiu por sua garganta. Se sentiu infantil por estar chorando feito uma criança, mas não pôde evitar. Haviam sido atacadas por Deus sabe o que e sua amiga estava prestes a morrer (ou ao menos parecia estar) e ela não parecia se dar conta dos fatos.
- Eu falei pra você não ir lá para a frente, sua teimosa! - Charles falou entre lágrimas para Dorian, irritada com a garota.
Mas era óbvio que a culpa não era de Dorian. Ela estava somente tentando protegê-las. E Charles estava somente tentando achar algo para culpar, pois não suportava a ideia de perder a amiga.
avatar
Daenis
Admin

Mensagens : 112
Data de inscrição : 17/07/2015

Ver perfil do usuário http://ages.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AGES - Casos Sobrenaturais

Mensagem por ArabellaC. em Qua Jul 22, 2015 4:47 am


Clarisse Silveri | Agente | 23 anos

Terminou de enfaixar a garota, aquilo estava estranho, os ferimentos...Ela não tinha tempo para pensar naquilo, vestiu o sobretudo sobre o sutiã e o amarrou na cintura. Olhou para a mulher de cabelos coloridos e pousou a mão no ombro dela.
_ Seja forte, cuide dela uma ambulância está a caminho. _ falou, afinal Jake já deve ter acionado a emergência _ Volto logo, espero.
Com a arma de fogo em uma das mãos e adaga em outra entrou no café, atravessou a cozinha e chegou onde os outros estavam, a criatura estava viva, mas fraca. Olhou para John, ela havia se ferido...Idiota!
Seus olhos voltaram para o cachorro super dotado, vendo uma faca cravada na garganta dele, segurou a adaga com mais firmeza John era o que estava mais perto...Girou a lamina na mão e lançou na direção do loiro, e ela parou rente ao seu rosto. Adaga de prata e longa como aquela teria mais efeito do que uma faca.
Ela lhe lançou um olhar que dizia claramente "termine o serviço", destravou a arma e apontou para criatura, olhando para Caron e depois para John.



Peter Ives | Agente | 32 anos

Escutou a pergunta.
_ O babaca do John foi ferido, mas Clare conseguiu tirar as garotas de lá, estou enviando uma ambulância para o local. A criatura ainda está viva _ respondeu.



Beatrice Ives | 21 anos | Fotografa

Ele notou o seu movimento, ela detestava ser tão fácil de ler, isso não ajudava muito.
_ Foi um presente e de certa forma me reconforta _ explicou, aquilo era quase a verdade, não estava mentindo, apenas não disse tudo sobre aquele bracelete _ Eu fico com os muffins _ sorriu, não tinha o que contar, porque não era algo que pudesse falar sem que ele achasse que ela era louca ou sem arrastá-lo para aquilo.
Escutou a resposta, ela não sabia o que fazer, okay, eles não o atacaram até hoje, mas espíritos não são lá as criaturas mais confiáveis, não da para prever. Pensou em ligar para o irmão, mas ele estava de plantão, cogitou Clare, titio e Caron, mas pelos deuses eles já viviam uma missão suicida, e era sexta feria a noite, mereciam um descanso.
Okay, ela ia simplesmente esquecer que ouviu isso, poderia ser nada, ela nem tinha certeza se eram reais...Ela fitou o moreno com intensidade, ele era gentil, uma boa pessoa...E ela estava se enganando mais uma vez, se fossem fantasmas e ele morresse, porque foi uma covarde, ela iria ter conviver com a culpa pelo resto da vida, ela só precisava checar se estava tudo bem, se estivesse voltaria para sua casa, caso contrário ligaria para AGES.
Agora como diabos ela iria para casa do chefe, sexta feira a noite, sem causar uma má impressão? Sem que ele entendesse errado...
Okay, era hora de inventar.
_ Porque eu acabei de me lembrar que uma colega minha me pediu para ajudá-la na composição de uma cenário do século dezessete, a sua mansão foi mais ou menos construída nessa época, estou certa? Seria de grande ajuda se eu pudesse tirar umas fotos para referencia. _ inventou.

ArabellaC.
Admin

Mensagens : 1695
Data de inscrição : 20/07/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AGES - Casos Sobrenaturais

Mensagem por LolitaRoger em Qua Jul 22, 2015 5:01 am


John Constantine

De onde estava ele podia ouvir Caron praguejar e isso até mesmo lhe dava vontade de rir, mas não era hora pra isso. Tinha um trabalho pra terminar.
Viu o outro atirar nas juntas do animal impedindo que o barghest pudesse se mover de forma adequada.
Constantine virou a tempo de ver Clare lançar a adaga, e ela parou tão rente ao seu rosto que somado ao olhar que a mulher lhe lançou apenas o fez ter certeza que ela estaria furiosa. Pegou a adaga e terminou de rasgar a garganta do enorme cão. O sangue da besta espirrou para todos os lados enquanto o loiro meio que o decapitava. Podia-se dizer que o sangue da criatura fedia tanto quanto o pelo e a saliva nojenta.
Quebrou as vértebras que uniam o crânio do animal ao restante da coluno e arrancou por completo a cabeça (apenas por precaução) e a ergueu na direção de Caron.
–O que acha? Aposto que seria perfeito para dar de presente pro chefe na festa de bodas dele. – não, ele nunca perde a chance de uma piada absolutamente desnecessária.

Dorian H. Gray

Se arrependeu das piadas e do cinismo quando viu que Charles estava a beira das lágrimas, e só piorou quando a garota realmente começou a chorar.
–Desculpa, Charles. Eu sinto muito mesmo. –  albina falava com uma expressão realmente arrependida –Eu sei que você falou, eu só não podia deixar aquela coisa chegar até você. Aquilo podia te matar. – a albina falava sem nem se dar conta de que para as outras duas era ela quem estava pra morrer ali.
Sangrando no meio fio até a morte, que belo fim para Dorian Gray (novamente façam o favor de notar o sarcasmo).
–Não precisa chorar, vai ficar tudo bem. – falou tentando acalmar a amiga –eu te oeferecia um lenço, mas não tenho nenhum... E se tivesse estaria coberto de sangue, então... Foi mal. – a albina realmente parecia não ter noção de como ela devia estar parecendo com os dois pés na cova.

Steven Lancaster

A escutou falar sobre o bracelete e sorriu.
–Suas ações sempre entregam como você está se sentindo, senhorita Ives. – Comentou com o mesmo sorriso de sempre. A garota era uma pessoa curiosa de se conversar, por mais que os gestos dela entregassem como ela se sente a respeito de algo lhe parecia impossível sondar o que se passava na mente dela.

Como se a mente de Beatrice fosse um lugar realmente barulhento e silencioso ao mesmo tempo. Pessoas assim prendiam seu interesse.
A escutou falar sobre fazer fotos de sua mansão.
–Tem certeza que quer ir hoje? Já está tarde, se você tiver algum compromisso pode acabar se atrasando. – falou pensando que a área onde morava era uma parte quase histórica, cercada pelas mansões de famílias nobres, se ela tivesse algum lugar para ir numa sexta a noite definitivamente seria longe de um lugar pacato como aquele, mas quem era ele pra entender a mente de um fotógrafo –Mas se realmente quiser, é mais do que bem vinda. Afinal de contas somos amigos e eu adoraria ser de alguma ajuda.

Logo que dizia isso ele pedia os muffins para a garçonete que não demorava em trazer vários de chocolate, que ele imaginava que ela gostasse.

LolitaRoger
Admin

Mensagens : 1707
Data de inscrição : 18/07/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AGES - Casos Sobrenaturais

Mensagem por Daenis em Qua Jul 22, 2015 6:44 pm

Jemma Park Willberg | 26 anos | Agente

Jemma voltou para perto de Peter a fim de ver a gravação ao vivo do grill onde aconteciam as cenas de horror. Foi a tempo de ver a criatura ser decapitada e instantaneamente arrependeu-se de ter voltado para olhar. As desvantagens de se ter uma mente curiosa.
Ela se aproximou da mesa onde estava sentada antes e pegou o celular, mandando uma mensagem para Caron perguntando se ele estava bem. Ela sempre ficava preocupada quando ele ia em alguma missão.
- Eu vou contatar uma equipe para sanitizar o local - ela avisou a Peter enquanto sentava novamente na cadeira e procurava um caderninho dentro da bolsa.
Ela mandou mensagens de texto para algumas pessoas que eram responsáveis por esse tipo de serviço. Quando terminou olhou para Peter.
- Se uma ambulância foi chamada é questão de tempo até que a polícia seja contatada. Além disso, é possível que alguém que more por ali ou um transeunte já tenham chamado.

Caron John Whirt | 33 anos | Agente

Clarisse apareceu novamente na porta e lançou a adaga para John, que terminou o serviço. Caron franziu o cenho e tentou ignorar o cheiro horrível que exalava do barghest. Ao ouvir a "piada" de John, ele se irritou.
- Você acha isso engraçado? Olhe o estado desse lugar, a quantidade de sangue! Tem uma garota morrendo lá fora e você está fazendo piadas! - ele exclamou.
Sentiu o celular vibrar no bolso. O pegou e viu que havia recebido uma mensagem de Jemma. Guardou a arma atrás da calça e respondeu a mensagem dizendo que estava tudo bem. Uma coisa ele não podia negar, apesar de John não seguir o modo convencional e correto de se fazer as coisas, Caron não havia se machucado nessa missão. Mas ele não colocaria todo o crédito em John. Apesar das maluquices do outro, Caron sabia que era bom também.

Charlotte "Charles" Ruth Middleton | 23 anos | Garçonete/aspirante à cantora

Olhou para a morena em assentiu. Queria agradecê-la pela ajuda, mas não teve tempo, pois em seguida ela já corria de volta em direção ao grill. Desviou o olhar para a amiga e fungou, segurando sua mão.
- Não precisa se desculpar - ela apertou a mão da albina. - Eu sei que você tinha boas intenções. Mas vai ficar tudo bem - ela afirmou chorosa. - Vai ficar tudo bem.
Ela começou a ouvir sirenes ao longe se aproximando e deu graças a Deus. Olhou para Dorian e deu um sorriso fraco.
- Chorando? Quem está chorando? Eu não estou chorando.
Charles estava preocupada com a amiga, mas seus pensamentos também estavam dentro do grill, onde os homens e a garota que salvaram elas ainda estavam. Esperava que eles estivessem bem.
avatar
Daenis
Admin

Mensagens : 112
Data de inscrição : 17/07/2015

Ver perfil do usuário http://ages.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AGES - Casos Sobrenaturais

Mensagem por ArabellaC. em Qui Jul 23, 2015 12:44 am


Clarisse Silveri | Agente | 23 anos

O loiro entendeu o recado e avançou para a criatura, rasgando-lhe a garganta e logo separou a cabeça do corpo do cachorrão.
A moça torceu o nariz com o cheiro forte e desagradável e se aproximou dos dois, escutando a repreensão de Caron, que não estava ferido, o que era um alívio, já estava acostumada com as piadas e depois lhe daria um esporro por ser tão inconsequente, mas antes precisava se certificar de que ele estava bem, se virou para John.
_ Está ferido? _ perguntou, seus olhos pousando no braço ensanguentado dele _ Precisamos cuidar disso John, Jake já enviou uma ambulância para pegar a garota, fiz os primeiros socorros nela, melhor irmos a policia não vai demorar a chegar.
Não havia mais nada que pudessem fazer.



Peter Ives | Agente | 32 anos

_ Sim, é melhor _ falou, e ligou para John _ Saiam dai agora, a viatura irá chegar em dez minutos _ alertou, enquanto tratava de apagar todas as imagens das câmeras, de um jeito que seria impossível recuperá-las.




Beatrice Ives | 21 anos | Fotografa
Não pode deixar de sorrir para ele.
_ Eu preciso melhorar nisso _ falou, Steven era uma pessoa observadora e ela tinha que ser mais cuidadosa sobre suas ações quando estava com ele, falar é mais fácil do que fazer.
Ouviu sobre as fotos.
_ Eu gostaria muito se fosse possível, é meio urgente _ disse, escutando sobre o compromisso _ Eu estou livre amanhã _ foi a resposta mais simples que achou, visto que dizer que ultimamente ela trocava a noite pelo dia, e que quando tinha trabalho de dia, não dormia nada, virava dias, era algo totalmente desnecessário de se dizer.
Respirou aliviada ao saber que ele não entendeu errado, que ela não estava com segundas intenções e, naquele momento teve quase certeza que a sua colega de sala realmente tinha razão sobre ela ter algum problema, pois mesmo depois de alguns meses de convivência ela não tentou nada com o famoso e atraente Lancaster, qualquer outra em seu lugar teria feito algo. Ela não era mesmo normal.
_ Eu irei aceitar, prometo que serei rápida e não irei tomar o seu tempo _ ela teve a estranha sensação que iria se arrepender de ter se metido naquilo.
Sorriu feito criança quando viu os muffins de chocolate, cho-co-la-te, que era quase tão bom, quanto cafeína.
_ São os meus preferidos _ falou, pegando um deles e provando, quase esquecia os seus problemas e divagações.

ArabellaC.
Admin

Mensagens : 1695
Data de inscrição : 20/07/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AGES - Casos Sobrenaturais

Mensagem por LolitaRoger em Qui Jul 23, 2015 1:45 am


John Constantine

Caron parecia não ter senso de humor.
Eles haviam acabado, não tinha nenhum outro barghest rondando o local, e os que morreram e a garota ferida. Bem... Eles sente muito, mas não é como se pudesse estalar os dedos e voltar no tempo pra salvar todo mundo. Pessoas morrem, e era bom que Caron começasse a aceitar que no trabalho dele eles vão mais ver inocentes morrendo para criaturas não humanas do que salvar todos.
Nenhum deles é um herói, eles fazem o que e possível. Infelizmente nem sempre o possível é o bastante para salvar um inocente.

Jogou a cabeça pro lado e procurou mais um cigarro no bolso e o colocou na boca, lembrando só depois que não tinha mais fluído no isqueiro e xingando em voz baixa.
Contudo as mangas da camisa ainda estavam úmidas do liquido inflamável, com um spell simples ele acendeu, encostou a ponta do cigarro no fogo na manga da camisa e a apagou antes de perder uma das poucas camisas boas que lhe resta (apesar de ter certeza que não importa quantas vezes lave ele não vai conseguir tirar o fedor do sangue do barghest dela).
Tragou profundamente o cigarro e liberou a fumaça escutando a pergunta de Clare.
–Tranquila, amor. Não foi nada, apenas um corte, daqui a pouco eu cuido disso. – falou enquanto saía do lugar com os dois –Infelizmente nossa aposta vai ficar pra depois, agora temos que fazer os malditos relatórios de missão.. – resmungava pensando em como queria ter ficado bebendo no bar.

Dorian H. Gray

Sorriu para Charles quando a amiga apertou sua mão.
Se sentia mais do que apenas um pouco culpada em preocupar a outra enquanto sabia que em apenas mais uns vinte minutos ela estaria nova em folha, como nem houvesse sido ferida para começo de conversa. Podia sentir a pele se refazendo no local do corte, pois a regeneração ardia como o inferno, não dava pra saber que estava sendo rasgada novamente ou tendo os tecidos refeitos sem deixar cicatrizes.

Quando ouviu o barulho das sirenes teve certeza que dava pra ver o terror em seu rosto. Como diabos ela vai fazer pra escapar disso? Não pode deixar sua condição vir a público, seria desastroso. Ela viu o que aconteceu com o Totó do Caperoto, e tinha certeza que aquelas pessoas não pensariam duas vezes antes de fazer o mesmo com ela. Afinal, nem a própria Dorian sabe ao certo o que é. Ok.. Pensar assim era exagero, eles não seriam capazes de mata-la, mas tinha certeza que se o que ela é for descoberto vai passar o resto da eternidade como rato de laboratório de alguém, e definitivamente não quer isso.
–Charles eu não posso ir pro hospital.. – e mesmo pedindo isso para a amiga ela sabia que não tinha chances de convencer a outra a levá-la para o apartamento, sem contar que as sirenes estavam muito próximas.

Steven Lancaster

Sorriu de volta ao ouvir o que ela dizia.
–Não tem que melhorar. – falou –Gosto muito que seus gestos te entreguem assim, tornam essas reuniões mais divertidas. – brincou.
Beatrice era uma das poucas pessoas com quem ele ficava a vontade para vir em lugares como esse café para conversar, todos os outros com quem interagem são unicamente para trabalho ou uma ou outra mulher com quem ele decide dormir. Logo ele não tinha alguém com quem conversar, por isso valorizava tanto essas reuniões com Bea, eram sempre divertidas.

–Já que é tão urgente assim podemos ir quando você terminar os muffins. – falou não resistindo a rir de como ela parecia uma criança sorrindo para todos aqueles muffins de chocolate, e logo sorrindo satisfeito por ter acertado a preferência dela –Eu imaginei que você gostasse mais dos de chocolate. – ela era mesmo incrivelmente fácil de se ler, ao menos em alguns aspectos, porque em outros ela era uma verdadeira incógnita para ele.

LolitaRoger
Admin

Mensagens : 1707
Data de inscrição : 18/07/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AGES - Casos Sobrenaturais

Mensagem por ArabellaC. em Qui Jul 23, 2015 2:06 am


Beatrice Ives | 21 anos | Fotografa

Riu.
_ Em minha defesa, você é uma pessoa observadora e por isso creio que é difícil algo passar despercebido por seus olhos _ brincou, fazendo um sinal com a mão direita como se dissesse "estou de olho em você", mas logo ria e dava uma piscadela.
Gostava de falar com Steve, não apenas por ele levar o seu trabalho a sério e o apreciar, mas é que quando estava com ele ou mesmo atrás da lente, tudo fluía naturalmente, não tinha que se preocupar em olhar para trás para se certificar que não havia ameaça, era só...Natural.
_ Certo _ assentiu sobre irem depois dela terminar de comer, era fato que Bea era magra de ruim, certo que seus treinos ajudavam-na a se manter, mas a garota era uma formiga _ Chocolate, cafeína e congelados são os melhores _ disse, adorava a praticidade dos congelados, porque ela não sabia fritar um ovo sem queimá-lo.
_ Qual é o seu prato preferido? _ perguntou, enquanto tomava outro gole do café.

ArabellaC.
Admin

Mensagens : 1695
Data de inscrição : 20/07/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AGES - Casos Sobrenaturais

Mensagem por LolitaRoger em Qui Jul 23, 2015 2:16 am


Steven Lancaster

–Não sou tão observador quanto você pensa, é você que é quase um livro aberto para mim. Bem... Ao menos suas emoções, já seus pensamentos constantemente me deixam curioso e me fazem presa dele. – confessou com um olhar que imitava o dela ao fazer o gesto de “estou de olho”, vê-la fazer aquele gesto o fez soltar um riso nasal enquanto agitava a cabeça em negativa e um sorriso surgia.
Ela às vezes fazia umas coisa tão bobas no meio das conversas que sempre arrancavam alguma risada dele, isso entraria na sua pequena lista de coisas que tornam Beatrice Ives a melhor pessoa com quem tomar um café.

Agitou a cabeça em negativa quando ela disse as coisas que gostava de comer.
–Me surpreende que você tenha conseguido chegar aos vinte anos viva se alimentando desse jeito. – brincou –Gosto de torradas francesas. É simplesmente algo muito bom e prático para se fazer. – disse com um encolher de ombros.
Pra alguém com tanto dinheiro ele tinha gostos realmente simples em certos assuntos.
–Um dia talvez eu prepare para você. E sim, eu sei cozinhar. – falou como se fosse um dado de máxima importância antes de deixar um riso baixo escapar.

LolitaRoger
Admin

Mensagens : 1707
Data de inscrição : 18/07/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AGES - Casos Sobrenaturais

Mensagem por ArabellaC. em Qui Jul 23, 2015 2:37 am


Beatrice Ives | 21 anos | Fotografa

Escutou ele dizer que as suas emoções podiam ser lidas, já os pensamentos não.
_ Vai por mim, não iria gostar de saber quais são, minha mente é uma verdadeira bagunça _ disse sincera, além de ter lembranças nada agradáveis do tempo da AGES, sempre havia dúvidas, receios, segredos, claro que também havia o seu otimismo e sonhos, mas mesmo assim, sua mente não era o lugar mais agradável para se estar, ao menos era o que ela achava.
Riu com o comentário sobre ela estar viva com essa alimentação.
_ Eu não tenho mais empregada, e não sei cozinhar, os congelados apenas facilitam a minha vida e me impedem de incendiar o apartamento e saiba que eu faço exercícios regulares e isso é saudável _ dizia como se aquilo pudesse justificar todo o descuido com a sua alimentação.
_ Ora, ora eu não sabia que meu chefe era mesmo um chefe _ fez o trocadilho bobo, mas estava surpresa dele saber cozinhar, já que empregados e serviçais era o que não lhe faltava.
_ Seria um prazer provar de suas torradas, eu também gosto, mas já deve ter percebido que cozinhar não é comigo.

ArabellaC.
Admin

Mensagens : 1695
Data de inscrição : 20/07/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AGES - Casos Sobrenaturais

Mensagem por LolitaRoger em Qui Jul 23, 2015 2:48 am


Steven Lancaster

Ouviu sobre a mente dela ser uma bagunça.
Não é como se a dele fosse um passeio na Disneyland. Na verdade a dele era boa parte trabalho e o restante uma bagunça de lembranças pouco agradáveis de uma infância solitária e problemática e colégios internos onde os garotos não eram exatamente ‘amistosos’ com ele. Realmente... Ambos pareciam ter coisas em seus pensamentos que eram melhores serem mantidas para si mesmos e evitadas de serem compartilhadas com os outro.
–De toda forma eu não quero conhecer cada um de seus pensamentos, gosto mais quando você me surpreende com as coisas que diz, torna tudo mais interessante. – sorriu.

Assentiu sobre ela estar nessa situação por não ter mais empregada e não saber cozinhar. Agitou a cabeça em negativa.
–Você sabe que apenas os exercícios não são uma justificativa sequer aceitável para sua alimentação ruim, não sabe? – ele a olhava com a sobrancelha arqueada –Continue assim e acabarei te adotando e levando pra morar comigo apenas pra ter certeza de que vai comer direito. – brincou.

Não dava pra não rir do trocadilho dela, era tão ruim que era engraçado.
–Você não sabe muitas coisa sobre mim: eu sei cozinhar, sou muito bom no xadrez, pinto, toco piano quando sei que não tem ninguém por perto ouvindo, dentre outras coisas. – falou sorrindo a assistindo devorar os muffins –Sim, abelhinha. Já ficou claro que você é um desastre colossal na cozinha. – não resistiu a provoca-la no final.

LolitaRoger
Admin

Mensagens : 1707
Data de inscrição : 18/07/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AGES - Casos Sobrenaturais

Mensagem por ArabellaC. em Qui Jul 23, 2015 3:04 am


Beatrice Ives | 21 anos | Fotografa

Sorriu.
_ Então você gosta de ser surpreendido? _ perguntou, dando outra mordida no muffin, estava tão gostoso...
Escutou a pequena repreensão dele, Clarisse já havia dito algo parecido, ela tinha essa mania de vida saudável, mas Bea não dava muita importância, até porque ela passava muito tempo perdida em seus próprios dilemas.
_ Mas eu não tenho tempo, nem disposição para cozinhar qualquer coisa decente e que não seja inflamável _ aquele era um péssimo argumento, mas não deixava de ser verdade.
Riu quando ele disse que iria adotá-la.
_ Sabe que eu não sou tão mais jovem que você, certo? _ perguntou divertida, terminando de beber o seu café e de comer o seu segundo muffin.
Ele tinha muitos talentos ocultos.
_ Você é homem de muitos talentos _ constatou _ Porque toca quando ninguém está presente para ouvir?
_ Abelinha? _ sorriu, era fofo.

ArabellaC.
Admin

Mensagens : 1695
Data de inscrição : 20/07/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AGES - Casos Sobrenaturais

Mensagem por Daenis em Qui Jul 23, 2015 4:27 am

Jemma Park Willberg | 26 anos | Agente

Com a EHS (Equipe de Higienização e Sanitização) e a PCRHS (Proteção e Controle das Relações Humanas-Sobrenaturais) acionadas, o trabalho de Jemma estava feito. Na realidade, ela nem era para ter tido esse trabalho. Deveria estar em seu apartamento, relaxando na banheira.
Ela esperava que Caron, John e Clare conseguissem sair sem cruzar com as autoridades. Cada vez que acontecia um caso e as autoridades eram acionadas cedo demais, os agentes acabavam se cruzando com eles e todo o processo dava uma incrível dor de cabeça.
O celular vibrou em cima da mesa e ela o pegou, visualizando a mensagem de Caron de que ele não havia se ferido. Ela respirou aliviada.
Pegou seu copo de café, que ainda estava um pouco morno, e arrastou sua cadeira de rodinhas para perto de Peter. Ela olhou a tela do computador, mas era como se estivesse lendo grego. Bem, não exatamente, pois ela sabia ler grego.


Caron John Whirt | 33 anos | Agente

Caron olhou para Clare que se aproximou dos dois, se dirigindo a John, que exibia um machucado no braço. Ele a olhou em busca de sinais óbvios de ferimentos e, observando melhor, notou que ela vestia somente o sobretudo amarrado na cintura e que seu busto coberto pelo sutiã era visível pelo decote formado pelo sobretudo.
- Você está ferida? - ele perguntou depois que John a assegurou de que não era nada sério. - O que aconteceu com a sua camisa?
Ele se aproximou dela e, com um pedido de licença, abotoou o casaco. Clare não era uma garota barata para sofrer possíveis desrespeitos (off: coff coff John coff coff) e se fosse sua irmã ou qualquer coisa do gênero, ele não gostaria que andasse por aí desse jeito. Principalmente nesse clima de inverno, com a neve ameaçando cair.
Relatórios de missão... Ele suspirou. Por quê John tinha de lembrá-los disso agora? Já não era ruim o bastante o total fracasso que fora a noite de sexta-feira de todos eles?
- Ela tem razão - ele sacudiu a cabeça e olhou para o outro. - A polícia já deve estar chegando. Precisamos sair antes que eles nos encontrem aqui - ele olhou ao redor.
O lugar estava completamente devastado. Havia sangue para todo lado e notava-se claramente a diferença entre o sangue carmesim da garota e o sangue viscoso e quase preto do barghest, mas que estavam se misturando. Cadeiras, mesas, louça e vidro quebrados cobriam o chão. Não havia sobrado praticamente nada. E o que estava inteiro estava coberto de sangue. Mas mesmo que não estivesse, Caron duvidava que o odor repulsivo um dia sairia de qualquer que fosse a coisa. A EHS teria de se livrar de praticamente tudo. Sem falar nos corpos (ou restos) que os aguardavam do lado de fora do grill.
Ao fundo Caron pôde ouvir as sirenes soando, aproximando-se cada vez mais. Logo outra sirene se junto àquela, formando um par de sirenes ecoando na noite.

Charlotte "Charles" Ruth Middleton | 23 anos | Garçonete/aspirante à cantora

Ao ouvir o que Dorian falou, Charles olhou para ela como se ela fosse louca. A garota provavelmente estava delirando por conta da dor e perda de sangue (e uma voz na mente de Charles a fez se perguntar como foi mesmo que ela ainda não desmaiou). De outro modo, a única explicação razoável e lógica era que a garota era completamente insana.
- Do que você está falando? Você está ferida, é óbvio que vai para o hospital - ela perguntou, mas conforme ia falando uma ideia foi surgindo em sua cabeça. - Por acaso você está preocupada com os custos? Não se preocupe com isso, ok? Vai dar tudo certo.
Ela afagou a mão da amiga, ambas as mãos sujas de sangue. Olhou para cima, esperando desesperadamente que a ambulância chegasse de uma vez por todas.
Charles nem recogitou a ideia que lhe surgiu. Ela ajudaria a pagar os custos, desde que significasse que Dorian ficasse bem. Ela havia algum dinheiro guardado e poderia fazer turnos extras, de qualquer jeito.
Turnos. Meu Deus, turnos. Ela olhou para o grill ao lado, perguntando-se no que aconteceria agora. Ela não podia ficar sem emprego. Não recebia ajuda financeira de ninguém, só dela mesma.
Ela balançou a cabeça. Não era hora para se pensar nisso.
avatar
Daenis
Admin

Mensagens : 112
Data de inscrição : 17/07/2015

Ver perfil do usuário http://ages.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AGES - Casos Sobrenaturais

Mensagem por ArabellaC. em Qui Jul 23, 2015 5:24 am


Clarisse Silveri | Agente | 23 anos

Seguiu com os dois para fora do local, escutou John.
_ Podemos entregar o relatório segunda, nem nosso turno era e de qualquer forma tenho que limpar esse corte para não infeccionar ou está afim de perder o braço? _ indagou cética, duvidava que John fosse fazer a assepsia direito e teria que dar pontos.
_ Eu ainda quero beber, vou fazer isso depois que deixá-los em casa.
Caron se aproximou dela e perguntou se estava ferida.
_ Não, nenhum ferimento, estou bem _ garantiu _ Eu a usei para estancar o sangramento da albina.
Só naquele momento ela olhou para baixo, vendo que parte de seu sutiã aparecia, ela amarrou o sobretudo tão rápido, não teve tempo de abotoá-lo, o maior pediu licença e começou a fechar os botões, enquanto ela olhava para qualquer ponto que não fosse os dois, santo constrangimento.
_ Obrigado _ agradeceu, totalmente sem graça e esperando a piada de John, que provavelmente seria respondida com o tapa do ano.
Escutou as sirenes.
_ Vamos, eu lhes dou uma carona, seria suspeito os dois andando por ai _ indicou, apressando o passo até o seu carro.



Peter Ives | Agente | 32 anos

Escutou o som do celular vibrando, mas estava focado em destruir as provas da presença de seus companheiros ali. A morena voltou a se aproximar, ele a olhou pelo canto dos olhos e ela parecia confusa com aquele monte de códigos.
_ Estou apagando as imagens das câmeras do café, da rua e arredores _ explicou para ela _ Conseguiu contactar as equipes?

ArabellaC.
Admin

Mensagens : 1695
Data de inscrição : 20/07/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AGES - Casos Sobrenaturais

Mensagem por LolitaRoger em Qui Jul 23, 2015 6:05 am


John Constantine

Sorriu agradecido quando foi a moça a sugerir entregar o relatório outro dia, pois tinha certeza que se fosse ele que o fizesse iriam pensar que era apenas desculpa para ir beber (o que não seria de todo mentira, diga-se de passagem).
–Eu gosto dessa braço, tenho ele desde que nasci. – brincou para rebater o ceticismo dela ao falar com ele. Mas Clare estava certa, ele muito dificilmente faria tudo de forma correta.
A olhou quando ela disse que ainda queria beber.
–Eu também quero beber. Só você não seria justo, e temos uma aposta para completar, amor. Não pense que eu esqueci. – falou, pois tinha certeza que ganharia da espanhola.

Ouviu a moça dizer que não estava ferida e também como ela tinha seu casaco abotoado pelo outro. John na hora pensou em várias coisas para dizer, mas também sabia que qualquer coisa que fosse falar seria seguida por um tapa. Então a principio ele apenas sorriu deixando mais do que claro que ela escutaria várias piadinhas pelo resto da noite, principalmente se fossem beber juntos.
–Não olhe com essa cara, amor. – falou para ela –Eu não fiz comentário algum, e a propósito, belo sutiã. Eu não tinha ideia de que você tinha uma pinta ali, é uma marca de nascença? – não resistiu a falar apenas sabendo que ela ficaria constrangida como sempre (que aquilo fosse uma pequena vingança por ela tê-lo chamado de lolicon mais cedo).

Logo a seguia para carro. Realmente seria suspeito se fossem vistos, e de nada adiantaria atrair a atenção da polícia. Seria apenas mais trabalho.
Pegou o celular e escreveu uma mensagem para Peter: “Flogging Molly. Todo mundo. Trás a Jemma, eu levo Clare e Caron.” Afinal, qual seria o problema de todos aproveitarem o que lhes restou da sexta à noite?

Dorian H. Gray

Como ela imaginou, Charles certamente iria pensar que ela estava louca.
Até porque quem é rasgado por um cachorro gigante e pede pra não levarem para o hospital? Ah sim, a maluca da Dorian Gray. Ela estava ferrada. Estava muito mais do que ferrada. Droga...

As sirenes estavam altas e pode escutar Charles perguntar se era devido as despesas.
–Não, Charles, as despesas não são um problema, e juro. – o problema era que no hospital poderiam descobrir que não era humana, daí as pessoas que mataram o cachorro provavelmente seriam chamadas de volta e a levariam para um laboratório como o das histórias em quadrinhos (sim, ela era uma criatura imortal, sem alma e que lia revistas em quadrinhos) e fariam experimentos com ela pelo resto da eternidade já que ela não pode ser morta (ao menos não até onde sabe).
Contudo não teve tempo de conseguir convencer a amiga quando as ambulâncias já estavam paradas no local e viaturas se aproximavam.
Antes que tivesse tempo de dizer qualquer coisa ela estava sendo colocada em uma maca enquanto insistia que estava bem e que queria ir pra casa. Não podia ser levada para o hospital, contudo os paramédicos confundiram isso com histeria causado pelo ataque e a doparam...

Steven Lancaster

–Sim, eu gosto de ser surpreendido. – dizia com um sorriso, que aos poucos se tornava uma careta meio engraçada –Infelizmente dificilmente encontro pessoas capazes disso.

Assistia entretido ela devorar os muffins, deviam estar gostosos, mas ele dificilmente comia fora, quase nunca tinha tempo então suas refeições eram quase sempre feitas as pressas em sua casa ou no escritório na empresa enquanto tinha que seguir trabalhando o tempo todo. Percebia como sua vida parecia se resumir ao trabalho.
Ouviu o riso dela e desviou a atenção do muffin sendo devorado enquanto deixava de lado a atual questão em sua cabeça (“como cabia tanta comida em um corpo tão pequeno?!”) e escutou o que ela disse a seguir fazendo o próprio rir antes de responder.
–Isso não vem ao caso, já que você parece não ser capaz de se cuidar direito sozinha. – fez seu ponto baseado na dieta dela que não era nada saudável.

Riu sobre ser um homem de muitos talentos, por algum motivo ouvi-la dizer aquilo lhe soou engraçado.
–Não.. Sou apenas alguém que precisava descobrir um jeito de se entreter sozinho. – disse com um encolher de ombros –Porque nunca conheci ninguém que pudesse se interessar em me ouvir tocar. – respondeu apesar de não ter muita certeza de se era esse o motivo –Ou talvez porque eu seja um péssimo pianista. – brincou.
Escutou a pergunta sobre o apelido.
–Sim, “abelhinha”. – falou e então explicou –Little Bee = Bea =Beatrice. Além de ‘abelhinha’ combina com você. – sorriu tomando outro gole de seu café.

LolitaRoger
Admin

Mensagens : 1707
Data de inscrição : 18/07/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: AGES - Casos Sobrenaturais

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 2 de 40 Anterior  1, 2, 3 ... 21 ... 40  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum